Dólar sobe com dados da agenda norte-americana 

Divulgação do índice de preços ao produtor norte-americano e a publicação das vendas no varejo nos Estados Unidos contribuíram para a valorização do dólar. Há pouco, a moeda comercial valorizava 0,35%, cotada a R$ 2,029.

A agenda norte-americana animou os investidores mundiais. Com isso, o Índice de Preços ao Produtor (PPI, na sigla em inglês) norte-americano avançou 0,3% em julho se comparado ao mês anterior, já com ajustes sazonais, de acordo com informações divulgadas hoje pelo Departamento de Trabalho norte-americano.

E as vendas no varejo nos Estados Unidos cresceram 0,8% no mês de julho, para US$ 403,9 bilhões, na comparação com o mês anterior, de acordo com as informações divulgadas do Departamento do Comércio dos Estados Unidos.

Além disso, os dados europeus contribuem para o movimento da moeda. De acordo com relatório da Lerosa Investimentos, a atividade na zona do Euro se contrai como os economistas projetavam, mostrando queda de 0,2% no segundo trimestre do ano. Porém os dados da Alemanha e França surpreendem os analistas, mostrando crescimento de 0,3% (projetado de 0,2%) e 0,0% (projetado -0,1%).   

Segundo o relatório, essa informação ajuda na tomada de risco na Europa, reduzindo os prêmios de risco nos referenciais de 10 anos. Na Alemanha, a discussão sobre a constitucionalidade do mecanismo de resgate ESM continua. A possibilidade de que possa levar mais tempo para se avaliar a legalidade do mecanismo pode criar alguma pressão sobre os mercados europeus.