Bolsas europeias fecham em queda devido a pessimismo global 

As bolsas europeias fecharam em queda com notícias negativas vindas do Velho Continente e dados abaixo do esperado no Japão. Com isso, em Londres, o índice FTSE 100 fechou com perdas de 0,43%, aos 5.821 pontos, o DAX, em Frankfurt, teve queda de 0,63%, aos 6.900 pontos, e em Paris, o índice CAC-40 desvalorizou 0,23%, aos 3.427 pontos.

De acordo com Adriano Moreno, analista da Futura Investimentos, o mercado segue com realização em um dia sem agenda econômica de destaque. “Os agentes avaliam as notícias desencontradas do final de semana na Europa”, disse.

Causando certo receio nos investidores, o ritmo de crescimento do Japão caiu claramente entre abril e junho a 0,3% trimestral, devido a uma progressão muito mais rápida do consumo, anunciou o governo esta segunda-feira. O Produto Interno Bruto da terceira potência mundial subiu notavelmente no primeiro trimestre, 1,3%, impulsionado pelos bônus governamentais à compra de carros de baixo consumo energético e por orçamentos públicos de reconstrução do nordeste do país, arrasado por um terremoto.

Na Europa, as declarações do ministro alemão de Economia, Philipp Rösler causou pessimismo nos investidores. Ele afirmou no sábado, 11, que está decepcionado com a Grécia, devido à incapacidade demonstrada pelo país em implantar as reformas necessárias para evitar sua quebra, conforme afirmou em uma entrevista ao semanário Focus, que será publicada na segunda-feira.

Lá fora o sentimento pessimista prevalece. A economia da Grécia, que está no quinto ano consecutivo de recessão, registrou uma grande contração de 6,2% no segundo trimestre em comparação com o mesmo período de 2011, segundo as primeiras estimativas oficiais divulgadas pelo governo.

Enquanto isso, o Tesouro italiano emitiu nesta quinta-feira títulos para captar no mercado de obrigações, como estava previsto, € 8 bilhões a um ano com juros em leve alta. As taxas dos títulos a 12 meses chegaram a 2,767%, contra 2,697% na última operação similar em 12 de julho.

E a Alemanha emite dívida com taxas negativas e bate recorde. Diante da instabilidade no mercado de dívida da Eurozona, os investidores continuam pagando para emprestar dinheiro à Alemanha, que nesta segunda-feira emitiu bônus a seis meses a uma taxa de juros negativa que marcou um novo recorde em baixa, indicou o Bundesbank. A Alemanha colocou € 3,77 bilhões a seis meses com um rendimento médio de -0,0499%, um novo mínimo histórico para este título a curto prazo. A taxa desta segunda-feira bate o recorde em baixa estabelecido na emissão anterior do mesmo tipo, ocorrida no dia 9 de julho, quando a taxa de juros foi de -0,0344%.