Confiança do consumidor recua em julho 

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas - composto por cinco quesitos contidos na Sondagem de Expectativas do Consumidor - recuou 1,5% entre junho e julho de 2012, ao passar de 123,5 para 121,6 pontos. Após três reduções consecutivas do índice mensal, o indicador de média móvel trimestral também passou a apresentar tendência de queda em julho. Houve piora nas avaliações sobre o presente e das expectativas em relação aos meses seguintes. 

Entre junho e julho, o Índice da Situação Atual (ISA) recuou 2,7%, ao passar de 139,1 para 135,4 pontos, o mais baixo desde outubro de 2011 (132,4 pontos). 

O Índice de Expectativas caiu 1,9%, de 114,9 para 112,7 pontos, o menor desde março (112,2 pontos). Pelo terceiro mês consecutivo ocorre diminuição do grau de satisfação do consumidor brasileiro com situação econômica presente. Dentre os quesitos que compõem o ICC, este foi o que mais contribuiu para a queda em julho. O indicador caiu 4,9%, ao passar de 110,0 para 104,6 pontos, o menor nível desde outubro de 2011 (98,1 pontos). Entre junho e julho, a proporção de consumidores que avaliam a situação como boa diminuiu de 27,7% para 25,2%; a dos que a julgam ruim aumentou de 17,7% para 20,6%. 

O indicador que mede o otimismo das famílias com a situção econômica nos meses seguintes diminuiu 2,4%, ao passar de 117,1 para 114,3 pontos. A parcela de consumidores projetando um ambiente melhor nos meses seguintes passou de 33,1% para 32,0%; a dos que preveem piora aumentou de 16,0% para 17,7%. 

A Sondagem de Expectativas do Consumidor é feita com base numa amostra com mais de 2.000 domicílios em sete das principais capitais brasileiras. A coleta de dados para a edição de julho de 2012 foi realizada entre os dias 2 e 20 deste mês.