Copom: mercado prevê queda dos juros a novo nível recorde 

Brasília - Em previsão divulgada nesta semana, o mercado financeiro prevê corte de 0,5 ponto percentual na taxa básica de juros da economia brasileira, em um novo percentual mínimo recorde. A nova Selic será determinada na noite desta quarta-feira pelos membros do Comitê de Política Monetária (Copom). Atualmente, a taxa é de 8,5% ao ano, a menor da história.

A queda, se confirmada, visa dar um novo estímulo à economia brasileira no segundo semestre. Juros mais baixos incentivam o consumo das famílias e do setor produtivo, já que a tomada de empréstimos fica mais barata. Com o baixo desempenho registrado na primeira metade do ano, o governo está preocupado com a possibilidade de o Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro, a soma de todas as riquezas produzidas no País, crescer menos do que os 4% previstos.

A previsão de crescimento tem sido constantemente revisada para baixo. O Banco Central (BC) reduziu de 3,5% para 2,5% a expectativa de alta do PIB para este ano. A indústria também vai revisar para baixo suas estimativas para 2012. O fraco desempenho da economia na primeira metade do ano se deve, principalmente, à piora do cenário financeiro mundial. Os países desenvolvidos reduziram sua demanda por commodities (produtos básicos), principal item de exportação brasileiro.

Poupança

Com a alteração nas regras, em vigor desde 4 de maio, o rendimento da poupança ficou diretamente atrelado à Selic. Quando a taxa básica for igual ou menor do que 8,5%, a remuneração da caderneta será igual a 70% da Selic. Ou seja, se a queda de 0,5 ponto percentual se confirmar, o rendimento anual da poupança cairá dos atuais 5,95% ao ano para 5,6%.