Economia brasileira não está em crise, diz BC 

Apesar de ter reduzido em um ponto percentual a expectativa de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB), que é a soma de todas as riquezas produzidas no país, o Banco Central (BC) nega que a economia brasileira esteja em crise. 

Nesta quinta, a autoridade monetária reduziu a previsão de alta do PIB de 3,5% para 2,5% e também aumentou a expectativa de inflação para este ano, de 4,4% para 4,7%.

Segundo o diretor de política econômica do BC, Carlos Hamilton Araújo, apenas alguns setores da economia brasileira estão em situação difícil, mas não é uma situação generalizada. 

"A fragilidade está concentrada em alguns segmentos. Um exemplo é que alguns preços do mercado de serviços, que está bastante aquecido, fazem com que a inflação nesse segmento seja bastante resistente", destacou.

Carlos Hamilton garante que a inflação "vai continuar cedendo", já que a tendência é que os preços recuem ao longo deste e do próximo ano. "A nossa projeção de inflação em 2012 em grande parte se explica pelo movimento da taxa de câmbio. Hoje, o preço do dólar tem um efeito sobre a inflação brasileira bem menor que no passado, mas isso não quer dizer que não tem importância. Como o real se depreciou nos últimos três meses, o impacto da depreciação do câmbio sobre a inflação, quando ocorre, é relativamente rápido", destacou.