BC: crédito deve ter maior dinamismo nos próximos trimestres

A trajetória de queda das taxas de juros e a perspectiva de redução da inadimplência contribuem para o maior dinamismo do mercado de crédito ao longo dos próximos trimestres, avalia o Banco Central (BC), no Relatório de Inflação, divulgado hoje (28).

Segundo o BC, as operações de crédito tiveram “expansão moderada no trimestre encerrado em maio, em linha com o ritmo gradual de recuperação da atividade econômica doméstica, em ambiente de volatilidade [oscilações] nos mercados internacionais”. O Banco Central acrescenta que, nesse período, o arrefecimento nas contratações de crédito pelas famílias evidenciou a postura mais conservadora das instituições financeiras na oferta de recursos, devido à manutenção da inadimplência em patamares relativamente elevados.

De acordo com dados do BC divulgados no último dia 26, a taxa média de inadimplência de empresas e famílias atingiu o recorde de 6% em maio. No caso das famílias, a taxa chegou a 8%, o maior percentual desde o mesmo mês de 2009, quando ficou em 8,5%. O BC considera inadimplência atrasos superiores a 90 dias. As pessoas jurídicas registraram inadimplência de 4,1%, índice estável em relação ao mês anterior.