Melhora na zona do euro possibilita aumentar investimentos, diz especialista 

Cenário positivo favorece aplicações na bolsa 

Com o fim dos rumores de um colapso de crédito e a redução de juros das dívidas dos países da zona do euro, o risco de uma ruptura nas contas públicas dos governos europeus foi bastante reduzido. A melhora do cenário repercutiu de maneira positiva no Brasil, o que permite aos investidores aumentar as aplicações em renda variável.

De acordo com o diretor de investimentos da Lecca, Samy Balassiano, a conjuntura econômica da zona do euro continua desfavorável e ainda passará por um prolongado período de baixo crescimento e alto desemprego. “Mas com o problema de liquidez solucionado, é possível aumentar os investimentos em ativos mais voláteis, como a bolsa”, afirma o especialista.

Dentre as oportunidades sugeridas pelo especialista na estratégia de renda variável, a recomendação é aumentar a exposição à estratégia de Large Caps, ações de companhias de grande porte que apresentam alta percepção de qualidade, liquidez e ganhos; e Small Caps, ações de empresas de médio e pequeno porte que apresentam menos liquidez; em detrimento a de Dividendos, que tem um caráter defensivo dentro da renda variável.

Ainda assim, para o diretor, o ideal é não concentrar todos os investimentos nessa categoria. O melhor é diversificar as aplicações em outras modalidades. Em relação à estratégia de renda fixa, o ideal é investir em títulos atrelados a inflação, como fundos que possuem em carteira Notas do Tesouro Nacional (NTN-B) e reduzir a exposição à estratégia pós-fixada em juros, uma vez que a Selic está em queda constante.

Já nos multimercados, o momento é de manter uma maior exposição à estratégia Macro, que busca antecipar as tendências do mercado. No caso da estratégia Long & Short, o ideal é investir somente em Long & Shorts Neutros ao mercado, já que essa estratégia tem uma maior capacidade de se proteger das oscilações que ainda podem ocorrer.