Ações por inadimplência em condomínios sobem pelo 3º mês consecutivo 

Levantamento do Departamento de Economia e Estatística do Secovi-SP, realizado nos fóruns da cidade de São Paulo, mostra que o número de ações de cobrança por falta de pagamento da taxa de condomínios aumentou 33,93% no primeiro trimestre deste ano.

Entre janeiro e março foram contabilizados 2.988 casos. Trata-se da maior alta registrada no primeiro trimestre desde 2008, ano em que foi aprovada a Lei 13.160, que permite o protesto de boleto de condomínio. Em 2008, foram computados 3.048 casos; em 2009, o número caiu para 2.868 ações; em 2010, chegou a 2.432 casos, e em 2011, atingiu 2.231 casos.

Além da alta no acumulado trimestral, o levantamento mostra ainda que o número mensal também subiu. Em janeiro de 2012 foram protocoladas 888 ações; em fevereiro, o volume aumentou para 911 ações; e, em março, chegou a 1.189 registros.

 “Vamos acompanhar o comportamento do indicador nos próximos meses e verificar se há crescimento de inadimplência no setor. Ou se o aumento deste trimestre foi só um fato pontual”, afirma Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Sindicato, que acredita na retomada da queda.

Gebara recomenda que síndicos e administradoras reforcem as negociações de cobrança, buscando conscientizar os condôminos da importância desse pagamento para a manutenção da saúde financeira do prédio. “Infelizmente, alguns moradores preferem pagar outras contas, ao invés do condomínio, cuja multa por atraso é de apenas 2%”, destaca o vice-presidente.