Descolada de índices internacionais, Ibovespa fecha em baixa

O Ibovespa, da Bolsa de Valores de São Paulo, terminou o dia em queda de 0,24% aos 61.954 pontos nesta segunda-feira, 16, depois de muitas oscilações durante o dia. O giro financeiro foi de R$ 9,44 bilhões. O dólar comercial fez direção inversa e terminou positiva em 0,20%, cotado a R$ 1,84 para a venda. 

Descolado do mercado americano, e com a divulgação de dados mistos, tanto no Brasil quanto nos EUA, o índice foi influenciado pelo vencimento de opções sobre ações, que pressionou as blue chips. 

A ação preferencial da Vale recuou 1,27 por cento, a 41,24 reais, enquanto a da Petrobras teve queda de 0,74 por cento, a 21,51 reais. Cielo foi a pior do Ibovespa, com queda de 4,85 por cento, a 61,85 reais

No cenário internacional, a agência de classificação de risco Moody's afirmou que deve atrasar o plano de revisão de cerca de 100 bancos europeus. O resultado era para ser divulgado até o final da semana. Ainda na Europa, o superávit de 2,8 bilhões de euros na balança comercial da Zona do Euro aliviou os mercados.

Com isso, o índice CAC 40, da bolsa de Paris, apresentou valorização de 0,51% a 3.205 pontos, enquanto o FTSE 100 da bolsa de Londres operou em leve alta de 0,26% atingindo 5.666 pontos. A Bolsa de Frankfurt apresentou alta de 0,63%, atingindo 6.625 pontos.  

Nos Estados Unidos, as bolsas fecharam em direções diferentes, pressionados pelo desempenho das ações de tecnologia. Com dados contraditórios, os investidores reagiram às informações negativas da confiança das construturas de imóveis em abril, enquanto as vendas no varejo superaram as expectativas dos analistas.

O índice Nasdaq fechou o pregão em baixa de 0,76%, assim como o S&P500, que terminou o dia negativo em 0,05%. O Dow Jones, ao contrário, chegou ao positivo de 0,56%.