Brics anunciam hoje apoio a candidato à presidência do Banco Mundial 

O Brasil irá discutir com a Rússia, a Índia e a China, países que formam o grupo conhecido como Brics, o nome a ser apoiado para a presidência do Banco Mundial. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, negou hoje (13) cedo que o governo brasileiro tenha decidido seu apoio. Estão na disputa o americano de origem sul-coreana Jim Yong Kim, o ex-ministro da Fazenda da Colômbia José Antonio Ocampo e a ex-ministra de Finanças da Nigéria Ngozi Okonjo-Iweala. A África do Sul já declarou apoio à nigeriana.

“O governo brasileiro não decidiu ainda quem apoiar para a presidência do Banco Mundial. Ontem, estive com Ocampo, que é um nome muito bom. Eu o conheço há muito tempo. Tem as qualificações técnicas necessárias. O Brasil, porém, está conversando com o Brics para tomar uma posição conjunta”, disse.

De acordo com Mantega, a posição dos quatro países (Brasil, Rússia, Índia e China) deve ser formalizada até o final do dia. O anúncio do Banco Mundial será feito no início da próxima semana, segundo ele.

O ministro defendeu que o candidato tenha a qualificação técnica e olhe para os países emergentes. “O Banco Mundial não é para ajudar país rico. É para ajudar país pobre. Tem que ser um candidato que leve adiante as reformas que dão mais peso para os países emergentes. Essas reformas foram pífias na gestão atual”, disse.