Desempenho dos mercados asiáticos derruba Ibovespa

Repercutindo o mau desempenho das bolsas asiáticas, o principal índice acionário brasileiro desvaloriza durante o pregão desta quarta-feira. Há pouco, o Ibovespa recuava 1,68%, aos 64.926 pontos, com giro financeiro de R$ 3.334 bilhões.

De acordo com Luis Gustavo Pereira, analista de investimentos da Futura Corretora, o indicador estadunidense relacionado às novas encomendas das indústrias também contribui negativamente para o revés. No ambiente asiático, os investidores operaram com aversão ao risco até o final do pregão. Devido à forte influência que a economia chinesa exerce, os índices acionários globais assimilam o pessimismo. 

“O índice Xangai Composto, por exemplo, fechou com retração de 2,67%”, explica o analista. Para Adriano Moreno, analista financeiro da Futura Investimentos, uma compilação de dados, que reúne balanços corporativos, indica que as companhias chinesas tiveram queda em seus ganhos em 2011. 

“Essas empresas, que tem relação com as empresas de commodities brasileiras, pressionam o Ibovespa até o momento”, disse Moreno.

Na Europa, as informações não apresentam tanta relevância como nos últimos dias. O grande destaque da agenda ficou com a divulgação do produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido, que teve resultados abaixo do esperado pelo mercado. O PIB britânico contraiu 0,3% no último trimestre do ano passado. 

 No cenário norte-americano, as atenções dos agentes ficaram voltadas às informações sobre a indústria do país, nas quais as novas encomendas avançaram em US$ 4,5 bilhões ou 2,2% em fevereiro. 

Por aqui, o Ibovespa assimila as informações internacionais, principalmente as chinesas. Com os balanços financeiros das empresas do gigante asiático abaixo do esperado, as ações das principais companhias relacionadas às commodities operam com retração. Neste contexto, os investidores adotam o movimento vendedor.  Na agenda doméstica, o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese) publicou a taxa de desemprego, que elevou 10,1% no mês de fevereiro, contra 9,5% observados no mês anterior. O contingente de desempregados foi estimado em 2,248 milhões de pessoas, 137 mil a mais que em janeiro.

No mercado de câmbio, o dólar valoriza, realizando movimento oposto natural à direçal da principal praça brasileira. Entre as oscilações positivas em destaque na sessão estão os papéis da PDG Realt (ON), que avançavam 2,05% e BR Malls (ON) que apresentavam alta de 1,96%.

Em contrapartida, entre os destaques negativos, estão os papéis da Gol (PN), que recuavam 4,72 % e Natura (ON) que apresentavam revés de 4,47%.