Saiba contratar, estimular e reter talentos na sua empresa

A expressão retenção de talentos nunca foi tão usada no mundo corporativo. Donos de empresa cada vez mais têm consciência de que a rotatividade de funcionários é ruim para o negócio. "A economia brasileira está estável, mais empresas chegam ao País ano a ano, o nível de escolaridade vem aumentando e temos uma taxa de desemprego estável. Agora, muitos candidatos podem escolher onde querem trabalhar", afirma Antoniel Silva, diretor de Gestão de Pessoas da empresa de consultoria e auditoria Grant Thornton Brasil. 

Uma pesquisa feita pela matriz inglesa da Grant Thornton avaliou que 92% dos empresários brasileiros entrevistados pretendem aumentar os salários dos colaboradores nos próximos 12 meses. A pesquisa foi realizada em 40 países e o percentual nacional ficou acima da média global - que foi de 66%. Uma das explicações para o fato, segundo Silva, é justamente a tentativa de manter os funcionários que demonstram competência nas empresas. "Um pacote de benefícios competitivo e compatível com o mercado é a oferta básica para organizações de qualquer porte", explica. 

E qual seria a definição objetiva de talento? Segundo Tania Casado, coordenadora do Programa de Vida e Carreira da Fundação Instituto Administração (FIA) e professora da área de Gestão de Pessoas da FEA-USP (Faculdade de Economia e Administração da Universidade de São Paulo), talentoso é o profissional acima da média que mantém esse padrão ao longo do tempo. "Esse colaborador sabe o seu valor, sabe exatamente o que é melhor para a sua carreira e sente orgulho do que faz", diz ela. 

Para Tania, é essencial que as empresas deem chances para que profissionais de talento exerçam seu potencial. "É preciso reconhecer e valorizar. São atos cotidianos, como ressaltar o quão importante para a empresa é o trabalho daquele colaborador" explica. 

Sobre o fato de micro, pequenas e médias empresas não terem a seu favor o apelo que as grandes trazem para o currículo, os dois especialistas concordam. "Um dos pontos principais dessas organizações é não terem a burocracia típica de estruturas engessadas. E isso é atraente", afirma Silva. Tania complementa: "Trabalhando diretamente com o dono, o profissional tem mais chances de fazer o seu trabalho aparecer, já que ele está diretamente envolvido com quem decide". Segundo ambos, grande parte dos bons profissionais, principalmente os que estão em início de carreira, já tem essa concepção. 

Apoio de consultoria

Não existe contração certeira em 100% do tempo. "Errar faz parte do processo. O que o empreendedor tem de fazer é diminuir as chances de isso acontecer, uma vez que apenas no dia a dia ele terá certeza de que aquele candidato é o ideal para o seu negócio", explica a professora. 

Na visão de Silva, se a empresa não tem um departamento de Recursos Humanos é imprescindível que contrate o apoio de consultoria especializada. "Principalmente as micro e pequenas têm de objetivar, sempre, o tiro certeiro na hora da contração. Não dá para arriscar", esclarece. 

Tania concorda que a saída pode ser contar, sim, com ajuda externa nos primeiros processos. Mas, depois, é preciso aprender com a consultoria como fazer e, a partir disso, conduzir as seletivas sozinho. "É fundamental que o empreendedor participe de todo o processo, seja para ajudar na escolha como para adquirir experiência nessa área", diz. 

Para reter um talento, Silva aconselha que a empresa seja transparente com o funcionário. "É preciso ser claro ao mostrar para o colaborador o plano de carreira e o tempo médio que ele vai demorar para ascender dentro da empresa", aponta. 

Tania recomenda que as empresas de micro e pequeno porte façam o que ela chama de contrato psicológico. "O empreendedor expõe, com sinceridade, o que tem a oferecer ao funcionário, sob que condições, e o colaborar também diz o que gostaria", explica. Nesse momento, segunda ela, o dono da empresa pode contar que "desejaria pagar mais, mas naquele momento é impossível" e oferecer em troca oportunidades de desenvolvimento profissional. "Os talentos de hoje valorizam isso", garante ela.