Wall Street fecha em queda, decepcionada por relatório do Fed 

NOVA YORK - A Bolsa de Nova York fechou em queda nesta quarta-feira em Nova York, afetada por declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), que descartou novas medidas de reativação econômica: o Dow Jones perdeu 0,41% e o Nasdaq, 0,67%.

Segundo dados definitivos de fechamento, o Dow Jones Industrial Average, principal índice de Wall Street, perdeu 53,36 pontos a 12.951,76 unidades, e o Nasdaq, dominado pelo setor tecnológico, 19,87 pontos, a 2.966,89 unidades, depois de ter superado brevemente os 3.000 pontos pela primeira vez desde dezembro de 2000.

O índice ampliado Standard & Poor's 500, mais representativo da tendência geral, perdeu 0,47% (6,50 pontos) a 1.365,68 unidades.

A bolsa de Nova York abriu com ganhos, impulsionada pela revisão para cima do crescimento econômico dos Estados Unidos no quarto trimestre, para 3% anual em vez de 2,8% da primeira estimativa.

Mas a tendência se inverteu depois que o presidente do Fed, Ben Bernanke, fez declarações diante da Comissão de Serviços Financeiros da Câmara dos Representantes.

"As limitadas informações das quais dispomos para 2012 correspondem a um ritmo de crescimento para os próximos trimestres perto ou levemente superior ao registrado no segundo semestre do ano passado", disse Bernanke.

Nesse contexto, "certos investidores se retiram do mercado, pois deduzem das declarações de Bernanke que não haverá novas injeções de liquidez no mercado financeiro", explicou Michael James, de Wedbush Securities.

Desde o outono (no Hemisfério Norte) passado, alguns investidores esperam que o Fed reforce suas medidas de reativação econômica.

Além disso, "a alta do dólar afetou os preços", disse por sua vez Peter Cardillo, da Rockwell Global Capital, que explicou que o dólar, valor refúgio, se encarecia, fazendo com que os preços dos metais preciosos, como o ouro, retrocedessem.

O mercado de títulos fechou em queda. Os rendimentos dos títulos de 10 anos do Tesouro subiram para 1,977% frente a 1,929% de quinta-feira e os de 30 anos para 3,086% frente a 3,059%. O rendimento dos títulos evolui no sentido oposto a seus preços.