Possível injeção do BCE na economia europeia alavanca bolsas 

As bolsas operam em alta nesta terça-feira, impulsionadas pelas expectativas dos investidores em relação ao Banco Central Europeu (BCE). Existe a possibilidade que o BCE invista amanhã cerca de € 500 bilhões na operação de financiamento de três anos.

De acordo com analistas, essa injeção de liquidez do BCE estaria sendo o principal motivo para o apetite ao risco entre os investidores. Em dezembro, a instituição concedeu € 489,2 bilhões ao setor financeiro europeu com o objetivo de  elevar a liquidez da região e tentar combater os riscos de uma piora da crise financeira.

As informações divulgadas ontem, após o final do pregão europeu, sobre a aprovação do parlamento alemão com maioria massiva dos votos sobre  o último plano de resgate à Grécia também são assimiladas positivamente hoje pelos investidores da zona do euro. No final da noite de ontem, porém veio uma má notícia. A agência de classificação de risco S&P cortou o rating da Grécia de "CC" para "SD" (default seletivo).

Entre os indicadores da região, o destaque é do Índice de Sentimento Econômico na Zona do Euro e na União Europeia (UE), que, em fevereiro, avançou 1,0% e 1,1%, respectivamente.

No ambiente norte-americano, os índices acionários devem avançar, motivados por notícias externas. Além disso, serão considerados os indicadores internos.  As novas encomendas às indústrias norte-americanas (Durable Good Orders) diminuíram em US$ 8,6 bilhões, representando queda de 4% em janeiro, alcançando US$ 206,1 bilhões. Os analistas esperavam estabilidade e ficaram bastante decepcionados com o resultado. Além dele, preços dos imóveis, confiança do consumidor, e nível da atividade em Richmond devem influenciar no andamento do pregão do país.

Por aqui, o Ibovespa deve refletir a situação externa e subir. O principal índice acionário da BM&FBovespa iniciou a sessão desta terça-feira com alta. Há pouco, o Ibovespa valorizava 0,06% aos 65.280 pontos.