Com indicador dos EUA, praças da Europa fecham em alta 

 A maioria das praças acionárias do Velho Continente encerrou com valorização, devido às boas notícias do Banco Central Europeu (BCE), da decisão do Parlamento Alemão e do bom desempenho de indicadores norte-americanos.Com este cenário, o FTSE 100, da bolsa de Londres, apresentou alta de 0,21%, atingindo 5.927 pontos, o CAC 40, de Paris avançou 0,36%, aos 3.453 pontos, e o DAX 30, de Frankfurt, valorizou 0,56%, ficando em 6.887 pontos.

De acordo com Mitsuko Kaduoka, os investidores europeus amanheceram otimistas pelas informações do BCE e parlamento da Alemanha. “No meio da manhã, o índice de preços ao consumidor alemão e as encomendas de bens duráveis norte-americanos fizeram com que as bolsas oscilassem. As bolsas, porém se estabeleceram em campo positivo após a divulgação da confiança do consumidor em Wall Street”, resumiu Kakuoka.

Os índices acionários europeus abriram em campo positivo motivadas principalmente pela notícia a cerca do Banco Central Europeu (BCE) e sobre uma decisão do Parlamento Alemão, realizada ontem após o fechamento do pregão no ambiente.

Essas informações foram divulgadas ontem e impulsionaram as praças do continente no início das operações.

Em contrapartida, o índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) na Alemanha ficou em 2,3% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, apontou a leitura preliminar. Em janeiro, o índice subiu 0,7%.No confronto com o mês anterior, o indicador apresentou avanço. O dado veio acima do esperado pelo mercado, que era de alta de 0,5%.

Outra informação que desestabilizou os índices momentaneamente foram as novas encomendas às indústrias de bens duráveis nos Estados Unidos(Durable Good Orders), que recuaram em US$ 8,6 bilhões ou 4% em janeiro, para US$ 206,1 bilhões, informou nesta manhã o Departamento do Comércio norte-americano.

Porém, a confiança do consumidor norte-americano (Consumer confidence), medida pelo Conference Board, subiu em fevereiro. O índice marcou 70,8 pontos, superando as estimativas de 63,1 pontos dos analistas. Este índice impulsionou as bolsas mundiais em geral, inclusive as europeias, devido à margem de distância entre estimativa e resultado.