Petróleo fecha em alta em NY impulsionado pelo frio na Europa 

O preço do barril de petróleo fechou em leve alta nesta quarta-feira em Nova York, apesar de a demanda nos Estados Unidos continuar inconstante, graças à alta do barril de Brent do Mar do Norte pela onda de frio na Europa.

O barril de West Texas Intermediate (designação do "light sweet crude" negociado nos EUA) para entrega em março subiu 30 centavos em relação ao fechamento de terça-feira, a 98,71 dólares, no New York Mercantile Exchange.

No Intercontinental Exchange (ICE) de Londres, o Brent do Mar do Norte com a mesma entrega fechou em 117,20 dólares, um aumento de 97 centavos em relação ao fechamento de terça-feira.

O relatório semanal do Departamento de Energia dos Estados Unidos (DoE) "não foi tão favorável à alta como fazia pensar o relatório da API (Instituto Americano de Petróleo)", comentou Tom Bentz, do BNP Paribas.

O DoE informou que as reservas de petróleo subiram 300.000 barris na semana concluída em 3 de fevereiro, a 339,2 milhões de barris. Os analistas consultados pela agência Dow Jones Newswires apostavam em uma alta de 2,7 milhões de barris.

"A alta do WTI deve-se à ampliação da brecha (o diferencial de preços entre o WTI e o Brent de Londres) que impulsiona os preços aqui", explicou Bentz.

"O Brent disparou por conta das temperaturas baixas registradas na Europa", completou o analista que destacou que os Estados Unidos não têm condições metereológicas parecidas, com um inverno muito suave.

No entanto, os operadores continuam divididos entre os acontecimentos entre Grécia "onde ainda não se sabe se vai haver um acordo" e o programa nuclear iraniano "que sustenta o mercado sob as ameaças de Teerã sobre um fechamento do Estreito de Ormuz", afirmou Bentz.