Bovespa encerra 2011 com queda de 18%; desempenho é o 3º pior desde 1994 

SÃO PAULO - A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) encerrou as operações de 2011 com uma queda de 18,1%, seu terceiro pior desempenho desde que o Brasil implantou o Plano Real para estabilizar a economia, em 1994, com o Ibovespa fechando aos 56.754 pontos, em alta de 0,39% nesta quinta-feira.

Nos últimos 17 anos, o pior desempenho da Bovespa foi em 2008, quando encerrou o ano em queda de 41,2% devido à crise internacional. O segundo pior desempenho foi em 1998, quando recuou 33,4%.

Em 2011, as empresas de capital aberto brasileiras perderam 213,5 bilhões de reais (114,170 bilhões de dólares) em valor de mercado, segundo relatório da consultora Economática.

A Petrobras liderou as perdas, reduzindo em quase 79 bilhões de reais (42,245 bilhões de dólares) seu valor de mercado, seguida pela mineradora Vale, que perdeu quase 69 bilhões de reais (36,898 bilhões de dólares).

No outro lado da balança, a gigante das bebidas Ambev elevou seu valor de mercado em 41,4 bilhões de reais (22,139 bilhões de dólares) no ano.

Na última sessão do ano, a bolsa brasileira registrou um volume de negócios de 5,254 bilhões de reais (2,8 bilhões de dólares) com 468.851 transações. O índice abriu em alta de 56.533 pontos e oscilou entre um mínimo de 56.312 unidades e um máximo de 56.945 unidades.

Em 2010, a Bolsa brasileira terminou com um magro avanço de 1%, contrastando com o avanço de 82,6% de 2009, quando consolidou o melhor desempenho mundial. O patamar recorde atingido pela Bovespa é de 73.516 pontos, consolidado em 20 de maio de 2008, às vésperas do início da crise financeira internacional.