Itália divulga medidas anti crise 

ROMA - O plano de ajuste adotado nesta sexta-feira pela Câmara dos Deputados da Itália inclui importantes medidas no setor fiscal e imobiliário para contornar a crise e reduzir a colossal dívida pública do país, de 1,9 trilhão de euros.

O pacote de medidas tem como meta economizar 20 bilhões de euros para alcançar o equilíbrio orçamentário em 2013 e medidas para reativar a economia por um valor de 10 bilhões de euros.

- PREVIDÊNCIA

A idade para aposentadoria das mulheres que trabalham no setor privado aumentará para 62 anos em 2012 e para 66 anos em 2018.

Será congelada a revalorização em função da inflação das pensões superiores a 1.400 euros mensais a partir de 2012.

Será cobrado um imposto excepcional para as chamadas "pensões de ouro", que superam os 200.000 euros ao ano.

- MEDIDAS DE RIGOR

Voltará a ser introduzido um imposto à casa própria, que havia sido eliminado pelo governo de Silvio Berlusconi em 2008.

Serão cobrados novos impostos aos produtos de luxo, dentre eles carros, aviões e iates.

Serão cobrados impostos aos capitais frutos de evasão, legalizados durante o último mandato de Berlusconi graças a uma anistia fiscal.

Possível aumento do IVA em dois pontos, para 23%, a partir de 2012.

Alta do preço dos combustíveis.

Corte dos gastos dos municípios.

Incremento da luta contra a evasão fiscal. Limite de 1.000 euros para pagamentos em dinheiro.

MEDIDAS PARA REATIVAR A ECONOMIA

Redução dos gastos sociais para as empresas que contratam jovens e mulheres.

Facilidades para a capitalização de empresas e empréstimos para a pequena e média empresa.

Crédito e redução de impostos para obras de restauração para economizar energia.

Flexibilização de horários para lojas. Liberalização do setor de táxis e farmácias.