Reformas exigidas pela UE à Itália serão adotadas no sábado

As reformas exigidas pela União Europeia (UE) à Itália para salvá-la da quebra serão adotadas no sábado, divulgou nesta quarta-feira a imprensa local. Em seguida, o chefe do governo, Silvio Berlusconi, apresentará sua renúncia oficial.

O Senado deverá submeter à votação o pacote de medidas que passará em seguida para a Câmara de Deputados, onde deverá ser aprovado nesse mesmo sábado ou no mais tardar no domingo, disseram as mesmas fontes.

A Itália decidiu acelerar nesta quarta-feira o processo de aprovação do pacote de medidas exigidas pela União Europeia (UE), numa tentativa de acalmar os mercados, alarmados pela crise da dívida.

Quando as medidas forem aprovadas, o chefe de governo, Silvio Berlusconi, apresentará sua renúncia ao cargo, como prometeu na terça-feira ao presidente da República, Giorgio Napolitano.

A saída de Berlusconi era considerada fundamental para os mercados, que não confiam em sua política econômica nem em sua capacidade para aprovar os ajustes e reformas necessárias.

Entre as medidas urgentes prometidas pela Itália à UE para reduzir sua colossal dívida pública (de 1,9 trilhão de euros, 120% do PIB) estão o corte de ativos públicos, a privatização de empresas estatais e a simplificação da administração pública, além de uma reforma do mercado de trabalho, o que suscita muitas dúvidas dos sindicatos.