Dilma pede apoio partidário para prorrogação da DRU

A presidente Dilma Rousseff reuniu nesta segunda-feira líderes partidários para pedir apoio na votação da prorrogação de quatro anos da Desvinculação de Receitas da União (DRU), um mecanismo que permite ao governo usar livremente 20% da receita tributária. A prorrogação será votada no plenário da Câmara nesta terça-feira. Para a presidente, a DRU é um mecanismo importante para manter a economia do Brasil saudável perante a crise, que na avaliação do governo, deve durar mais de dois anos.

"(A prorrogação da DRU) daria ao Brasil uma condição diferenciada e mais robusta", disse em entrevista após a reunião, a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti. "(O mecanismo) permitirá que o governo brasileiro enfrente a crise de forma mais soberana", acrescentou.

Segundo a ministra, houve coesão por parte dos líderes presentes para a votação de amanhã. Nos bastidores, há um clima de "já ganhou". Segundo um dos participantes, que não quis se identificar, a proposta "vai ganhar com folga" na votação de amanhã.

Para o líder do PR na Câmara, Luciano Castro (RR), sua legenda "está fechada com o governo" nesta matéria. Mesmo assim, o deputado diz que a posição do partido ainda é de independência e que o PR não faz mais parte da base aliada.

Tanto o líder como a ministra Ideli Salvatti negam qualquer barganha da votação da DRU com algum outro interesse do Congresso, como a votação dos royalties. "Não há uma troca, não há barganha", disse Luciano Castro. "(O assunto dos royalties) não estará colocado como obstrução", disse Ideli.