Dilma diz que União não cederá mais sobre royalties e pede acordo 

A presidenta da República, Dilma Rousseff, disse hoje que o governo não vai ceder mais sobre sua parte nos royalties do petróleo do pré-sal e defendeu que cabe agora aos estados e municípios chegarem ao um acordo sobre a distribuição dos recursos.

"Nós chegamos até um determinado ponto. Agora, mais do que daquele determinado ponto, nós não vamos passar. Acreditamos que todo o mundo tem que fazer a sua parte. Nós fomos capazes de abrir mão de algo próximo a R$ 2 bilhões. Acreditamos que cada um [estados e municípios] têm que abrir mão de parte de alguma coisa", disse a presidenta, após anunciar, em Porto Alegre, investimentos do governo federal em obras de mobilidade urbana.

Dilma disse que o governo não quer divergências entre os estados. "A União está querendo funcionar nessa discussão como solução e não como problema, por isso abrimos mão de recursos. A posição da União tem a ver com a construção de um acordo. A gente sempre considera que é melhor um acordo, do que uma briga".

A votação da nova lei dos royalties deve ocorrer na próxima semana no Plenário do Senado. Houve um acordo para evitar a apreciação ao veto da chamada Emenda Ibsen, que prevê a distribuição igualitária dos recursos entre todos os entes federativos. Os estados produtores de petróleo têm reclamado da perda de recursos por causa da distribuição dos royalties aos estados não-produtores na partilha.