Desemprego fica estável nas principais cidades do país

Em agosto, o total de desempregados nas principais regiões do País (Distrito Federal e regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Fortaleza, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo) ficou em 10,9%, ou 2,4 milhões pessoas, 27 mil a menos do que no mês anterior. Em julho, a taxa de desemprego total foi de 11%. Os dados são da Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) e do Dieese.

Já o desemprego aberto (quando a pessoa desocupada apenas procura emprego) se manteve em 8,3% e o oculto (quando a pessoa desocupada procura emprego e, ao mesmo tempo, exerce algum trabalho informal) oscilou de 2,6% para 2,5% no período.

Neste mesmo período, a taxa de desemprego total na região metropolitana de São Paulo se manteve estável: de 11,1% em julho para 11,2%. A taxa de desemprego aberto variou de 8,8% para 9% e a de desemprego oculto, de 2,3% para 2,2%.

O total de desempregados na região pesquisada de São Paulo foi de 1,2 milhão de pessoas em agosto, mantendo relativa estabilidade em relação a julho - 5 mil pessoas a mais passaram a ficar sem emprego na comparação entre esses meses.

Já o total de empregados foi de 9,5 milhões. Os ocupados no Comércio tiveram redução de 1,9%, ou eliminação de 29 mil postos de trabalho, na Indústria a redução foi de 1,2%, ou 21 mil, e em outros setores foi de 1,3%, ou 18 mil. No setor de serviços a redução dos postos foi de 0,1%, ou mais 6 mil ocupações.

Entre junho e julho de 2011, diminuíram os rendimentos médios reais dos ocupados (0,8%) e dos assalariados (1,1%), que passaram a equivaler, respectivamente, a R$ 1.454 e a R$ 1.494.