Fitch rebaixa rating da Telefónica

A agência de classificação de risco, Fitch, rebaixou nesta terça-feira de A- para BBB+ a nota do crédito de longo prazo da empresa de telecomunicações espanhola Telefónica e de sua filial britânica O2, com perspectiva estável.

Segundo a Fitch, o motivo do rebaixamento foi a enorme quantia paga na compra da empresa brasileira Vivo.

"A combinação de 7,5 bilhões de euros em efetivos pagos na compra da Vivo, o impacto das condições econômicas atuais e as metas anunciadas publicamente em termos de lucro por ação explicam a decisão", afirmou a Fitch em um comunicado.

"É pouco provável que a Telefónica reduza seus investimentos nos próximos anos", ressaltou a agência, que levou em consideração o interesse na concessão de frequências de telefonia móvel no Reino Unido em 2012, e também na Espanha e na América Latina em 2011.

Na classificação da Fitch, a nota BBB+ é a oitava de uma lista de vinte níveis.

Telefônica e Portugal Telecom anunciaram no final de julho de 2010 um acordo de aquisição pelo gigante espanhol, de 50% das ações da Brasilcel (holding que controla a Vivo, primeira operadora móvel do Brasil), por 7,500 bilhões de euros (10,2 bilhões de dólares). A Telefónica já detinha os outros 50%.

A venda foi concluída no final de setembro de 2010 e a quantia deveria ser paga em várias prestações até o dia 31 de outubro de 2011.

A Fitch considerou que naquele momento a Telefónica enfrentava muitos desafios, entre eles as condições econômicas espanholas, que afetou mais do que o previsto o mercado interno da operadora e a baixa nos resultados de alguns de seus serviços de telefonia na América Latina (Brasil, Colômbia e Peru).