Aumento do dólar poderá desestimular importação e estimular exportação

“As mudanças do mercado estão fazendo a equipe do governo entrar em parafuso e se percebe que algumas atitudes não estão sendo coerentes com a política de câmbio. A taxação de automóveis e estímulos, através de redução do impacto tributário para determinados segmentos, podem ter a necessidade de ser revistos, pois, com o câmbio superior a R$ 1,80, muitas empresas exportadoras que estavam com seus preços de venda para o exterior muito altos em dólar poderão agora tornar-se competitivas, mas poderemos gerar inflação interna se houver uma exportação em demasia deprodutos de primeira necessidade, como café, açúcar e laranja”, diz Reginaldo Gonçalves, coordenador de Ciências Contábeis da Faculdade Santa Marcelina.

No caso dos importados, como comenta Gonçalves, o preço que entrará no país será majorado e encarecerá para o consumidor. “O impacto é significativo. No caso dos automóveis importados, somente essa majoração já reduziria significativamente sua entrada no País, independentemente do aumento do IPI”.