Medo do desemprego tem leve alta em julho, diz CNI

O medo de ficar desempregado atingiu 81,9 pontos em julho, numa escala de 0 a 100, segundo divulgou nesta segunda-feira a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O índice de julho ficou praticamente estável, subindo apenas 0,2 ponto percentual em relação ao medido na última pesquisa, em março, quando ficou em 81,7 pontos. Quanto mais próximo de 100, maior é o medo do desemprego.

Já a parcela da população que afirma não ter medo do desemprego caiu de 54% em março para 53,6% em julho. O número de pessoas que afirmaram estar com muito medo de perder o emprego caiu de 15,7% para 15,5% no período, enquanto o percentual de pessoas que disseram ter pouco receio do desemprego subiu de 30,3% para 31%.

De acordo com o economista da CNI Marcelo Azevedo, apesar do pequeno aumento no medo do desemprego, há uma tendência de alta nos próximos meses. 

"Além do índice estar em um patamar muito baixo, as pessoas podem ficar mais sensíveis às repercussões da crise econômica internacional", disse.A pesquisa foi realizada com 2.002 pessoas, entre 28 e 31 de julho.