Analistas rebaixam previsões de inflação 

A projeção dos analistas do mercado financeiro para o crescimento da economia brasileira em 2011 ficou praticamente inalterada (de 3,94% para 3,93%) na semana encerrada em 12 de agosto, ante os sete dias imediatamente anteriores, de acordo com dados divulgados hoje no boletim Focus, do Banco Central (BC).

Para 2012, a previsão de alta do Produto Interno Bruto (PIB) do País foi mantida 4,00%, pela quarta semana consecutiva. Por sua vez, a aposta para a Selic em 2011 foi mantida em 12,50% ao ano, assim como para 2012.

A estimativa de inflação para este ano (IPCA) passou de 6,28% para 6,26% e para 2012 de 5,27% para 5,23%. No mesmo sentido, a expectativa para o crescimento da produção industrial em 2011 desceu de 3,01% para 3,00%, mantendo trajetória descendente. Há quatro semanas, a projeção de alta era de 3,25%. Para o ano seguinte, a estimativa ficou estável, aos 4,30%.

A previsão para a taxa de câmbio em 2011 foi finalizada em R$ 1,60, a mesma há nove semanas. E para 2012, foi mantida em R$ 1,65. Porsua vez, a aposta para o saldo da balança comercial em 2011 continuou em US$ 22,00 bilhões. Enquanto para 2012 avançou para US$ 10,85 bilhões, ante US$ 10,65 bilhões.

Para as transações correntes, (todas as operações do Brasil com o exterior) a projeção de déficit marcou US$ 57,97 bilhões, inferior ao apontado na semana anterior (US$ 59,00 bilhões). Já para o próximo ano a previsão desceu para US$ 68,25 bilhões, contra US$ 68,90 uma semana antes.

A projeção para o Investimento Estrangeiro Direto (IED) de 2011 (caracterizado pelo interesse duradouro do investimento na economia) manteve-se em US$ 55,00 bilhões, assim como a expectativa para 2012 permaneceu em US$ 50,00 bilhões.