Nova reversão em Wall Street, que fecha em forte alta

A Bolsa de Nova York fechou em forte alta nesta quinta-feira, em uma nova retomada impulsionada pela recuperação das ações do setor bancário e notícias mais positivas sobre a economia: o Dow Jones subiu 3,95% e o Nasdaq 4,69%.

Segundo dados definitivos, o Dow Jones Industrial Average subiu 423,37 pontos, a 11.143,31 pontos e o Nasdaq, dominado pelo setor tecnológico, subiu 111,63 pontos, a 2.492,68 pontos.

O índice ampliado Standard & Poor's 500 avançou 4,63% (ou 51,88 pontos), a 1.172,64 pontos.

É a primeira vez na história que o Dow Jones fecha com um movimento de mais de 400 pontos em quatro pregões consecutivos. Desde a segunda-feira, o principal índice de Wall Street evolui como em uma montanha-russa, alternando quedas e rebotes, com altos volumes de operações.

"Seguimos a Europa", constatou Scott Marcouiller, da Wells Fargo Advisors. Os investidores recuperaram a confiança depois do anúncio da reunião entre o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e a chanceler alemã, Angela Merkel, em Paris para falar da reforma financeira na zona do euro.

As principais praças da região também registraram fortes altas: a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) subiu 3,79% e no México, 4,26%.

Anteriormente, Paris, Londres e Frankfurt tinham fechado em forte alta, em torno de 3%.

A recuperação de Wall Street foi liderada pelos papéis dos bancos, após forte queda. Essas ações seguiram seus homólogos europeus, castigados na véspera depois de rumores - firmemente desmentidos - de que o banco francês Société Générale teria problemas.

Em relação a indicadores, os dados de emprego mais positivos que o previsto também ajudaram o mercado. As novas solicitações de seguro-desemprego nos Estados Unidos continuaram caindo na primeira semana de agosto, com 395.000 demandas.

De toda forma, "é difícil dizer se as operações no mercado ocorrem em função dos fatores básicos em vista destas altos e baixos", observou Owen Fitzpatrick, do Deutsche Bank. Os investidores colocam muita atenção aos níveis técnicos fornecidos pelos índices e atuam como consequência disso.

Sinal de uma menor preocupação foi a forte queda do mercado de títulos, que tinha disparado nos últimos dias impulsionado pela busca de segurança dos investidores. O rendimento dos títulos de 10 anos do Tesouro subiu para 2,336% contra 2,137% na noite de quarta-feira, e os títulos de 30 anos para 3,787% contra 3,538%. O rendimento dos títulos evolui no sentido oposto a seus preços.