Confiança do consumidor é a menor desde janeiro de 2010

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC) brasileiro desceu 2,4% em maio deste ano, contra abril, ao passar de 118,2 para 115,4 pontos, segundo dados divulgados há pouco pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Esta é a terceira baixa consecutiva e o indicador atinge o menor nível desde janeiro de 2010 (112,6 pontos). Em maio de 2011, tanto as avaliações sobre o momento atual quanto as expectativas para os meses seguintes pioraram.

O Índice da Situação Atual (ISA) caiu 2,4%, ao passar de 140,6 para 137,2 pontos, o menor desde julho de 2010 (134,0 pontos). O Índice de Expectativas (IE) cedeu 2,4%, ao passar de 106,3 para 103,8 pontos, patamar inferior ao da média histórica e o menor desde fevereiro de 2010 (103,6 pontos).

A percepção sobre o ambiente econômico geral piorou pelo segundo mês consecutivo, de acordo com o levantamento. A proporção de consumidores que avaliam a situação econômica local no momento como boa diminuiu de 29,2% para 25,8%. A dos que a julgam ruim aumentou de 21,2% para 21,8%.

O quesito que mede as expectativas dos consumidores em relação à situação econômica local exerceu a maior contribuição para a variação do ICC em maio de 2011: a parcela de consumidores prevendo melhora diminuiu de 26,4% para 21,4% e a dos que esperam piora aumentou de 19,8% para 21,6%.

A Sondagem de Expectativas do Consumidor é realizada com base numa amostra com mais de 2000 domicílios em sete das principais capitais brasileiras. A coleta de dados para a edição de maio de 2011 foi realizada entre os dias 02 e 20 de maio. Por conta de problemas técnicos no site da FGV, o dado foi divulgado com atraso.