Correspondentes de instituições financeiras terão que treinar funcionário que trabalha com crédito

O Conselho Monetário Nacional (CMN) estabeleceu novas regras para os correspondentes de instituições financeiras no país. Entre as mudanças, está a exigência de capacitação e certificação do funcionário que trabalha com operações de crédito.

Os correspondentes são pontos de atendimento que oferecem serviços bancários como, por exemplo, lotéricas, Correios, supermercados, padarias e farmácias. Segundo o chefe do Departamento de Normas, Sérgio Odilon, a mudança busca dar maior segurança ao usuário. “A medida vai facilitar [o atendimento nas operações de crédito] porque torna mais segura e mais transparente a concessão de crédito. Queremos que o cliente saiba com quem está atuando”, explicou.

As instituições financeiras têm prazo de três anos para atender a exigência da certificação e identificação do funcionário. A mudança vale apenas para operações de crédito feitas por correspondente transacional que faz operações de saques. Não entram na nova regra as operações de pagamento, por exemplo.

Atualmente, existem cerca de 150 mil pontos de atendimento que oferecem serviços financeiros no país. Do total de 5.564 municípios, apenas 24 não contam com atendimento por meio de correspondentes, utilizando outro tipo de canal. O correspondente é considerado um caso de sucesso do Brasil, visto que atende a todos os pontos do país, facilitando a inclusão financeira de diversos segmentos da sociedade.