EUA denunciam subsídios ilegais da UE à Airbus num total de R$ 36,05 bilhões

Os subsídios concedidos pela União Europeia à construtora de aviões Airbus, que recentemente foram considerados ilegais pela Organização Mundial de Comércio (OMC), foram caulados em pelo menos 18 bilhões de dólares (36,05 bilhões de reais), apontou o relatório entregue por autoridades dos Estados Unidos.

Nele, o governo americano explica ao organismo de apelação da OMC, que "A União Europeia e seus Estados membros - França, Alemanha, Espanha e Reino Unido - concederam ajuda substancial para o desenvolvimento e a produção de aviões gigantes da Airbus" e que "esses pagamentos chegam a pelo menos 18 bilhões de dólares".

Este se trata do "maior valor" já analisado em uma disputa na OMC.

Na ação apresentada em 2004 ante a Organização Mundial de Comércio (OMC), Washington calculou em 205 bilhões de dólares (148 bilhões euros) o valor do prejuízo gerado, parte dele sob a forma de ajudas públicas dos países europeus, e parte pelos efeitos negativos dessas ajudas.

Uma guerra de titãs opõe a fabricante de aviões europeia Airbus e a americana Boeing ante a OMC. Ambas consideram ilegais os subsídios concedidos por Estados Unidos e Europa às respectivas empresas.