Fusões e aquisições no ano somam 21% mais que em todo 2009

As operações de fusão e aquisição de empresas no Brasil em 2010 até setembro movimentaram R$ 144,8 bilhões, volume 21,7% maior do que o observado em todo o ano passado, informou a Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) nesta quarta-feira. No período, foram registradas 94 operações, número menor apenas do que as 105 realizadas nos nove primeiros meses de 2007.

Segundo o levantamento, o montante das fusões e aquisições até setembro foi 61,8% superior ao valor registrado no mesmo período de 2009.

A maior operação verificada no ano até setembro foi a compra de participação da Portugal Telecom na Vivo pela Telefônica (R$ 18,2 bilhões), seguida da formação da LATAM (R$ 14,4 bilhões) e a joint venture entre Shell e Cosan (R$ 11,6 bilhões).

De janeiro a setembro, a aquisição de empresas nacionais por companhias estrangeiras representou 32,9% do volume total das fusões e aquisições registradas no período, ante 9% em 2009 e 13,3% em 2008, conforme dados da Anbima. Foram 24 compras de empresas nacionais, que totalizaram R$ 47,6 bilhões.

O Itaú Unibanco foi a empresa que mais fez operações de fusão e aquisição (16), seguido por JP Morgan e Credit Suisse. Em relação a volume de transações, o Morgan Stanley ficou em primeiro lugar (R$ 42,807 bilhões), seguido de JP Morgan (R$ 41,412 bilhões) e BTGPactual (R$ 27,637 bilhões).

Só entram no ranking do levantamento as operações superiores a R$ 20 milhões, segundo a Anbima.