Ibovespa fecha em baixa e acumula perdas de 3,08% na semana

O último pregão da semana na BM&FBovespa foi caracterizado pela cautela dos investidores. O movimento vendedor em Wall Street além das preocupações em torno da "guerra cambial" e de novas tensões em relação a países europeus fizeram o Ibovespa descer 1,16%, marcando 70.367 pontos. O giro financeiro da bolsa ficou em R$ 6,145 bilhões. Na semana, o índice perdeu 3,08%. O recuo das praças acionárias norteamericanas acabou colaborando para o desempenho negativo do Ibovespa. Nem mesmo um indicador econômico acima do estimado por analistas conseguiu mudar o humor dos agentes. A confiança do consumidor, medida pela Universidade de Michigan, passou de 67,7 pontos em outubro para 69,3 pontos em novembro.

Além disso, as especulações em torno de países europeus também prejudicaram os negócios. Segundo o relatório da ON Investimentos, cresce a percepção de que a Irlanda precisará de ajuda para combater o déficit fiscal e os analistas já falam claramente na possibilidade de um socorro pela União Europeia.

E no Brasil, a forte baixa das ações preferenciais da Petrobras contribuiu para o declínio do Ibovespa, registrando retração de 3,25%, em sintonia com os preços do petróleo no mercado internacional. De acordo com Hamilton Moreira Alves, analista financeiro do Banco do Brasil Banco de Investimentos (BB-BI), os investidores não receberam bem o resultado trimestral da estatal, porque veio abaixo do estimado pelo mercado.

Ainda entre as blue chips, as da Vale (PNA) tiveram perdas de 1,76%, acompanhadas pela baixa nos papéis da Gerdau (PN), com decréscimo de 1,06% e da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), - 1,02%. O comportamento está relacionado com o desempenho negativo das commodities no mercado internacional, em resposta a medidas da China.

Nesse sentido, o setor de construção também pressionou para baixo, refletindo, segundo o analista do BB-BI, a valorização recente dos papéis. As ações da Gafisa (ON) desceram 3,79%, da MRV Engenharia (ON) perderam 3,63% e da Rossi Residencial (ON) caíram 3,37%.

Na outra ponta ficaram os papéis preferenciais da GOL (+1,64%). A companhia aérea teve lucro de R$ 110 milhões no terceiro trimestre de 2010. O resultado é 41,2% maior do que os R$ 77,9 milhões do mesmo período do ano passado e é atribuído principalmente ao crescimento da demanda, estimulada pela política de baixas tarifas da companhia, a valorização do real frente ao dólar e a redução de custos com frota.