Inflação oficial é a maior desde fevereiro

RIO - O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve alta de 0,75% em outubro, a maior variação desde fevereiro, após subir 0,45% no mês anterior, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados nesta terça-feira. Um dos itens que mais pesou no índice utilizado pelo governo nas metas de inflação foi o feijão carioca, que ficou 31,42% mais caro em outubro e acumula alta de 109,78% no ano.

Com o resultado, o IPCA registra alta de 4,38% no ano, acima dos 3,5% em mesmo período de 2009. Considerando os últimos 12 meses, a inflação passou para 5,2%, acima do acumulado nos 12 meses imediatamente anteriores (4,7%). Em outubro de 2009, o índice havia sido de 0,28%. O governo tem como meta inflação de 4,5%, com dois pontos percentuais de margem para cima ou para baixo.

Entre os grupos de produtos analisados, Alimentação e Bebidas teve a maior alta, passando de 1,08% em setembro para 1,89% em outubro. O grupo respondeu por 57% do índice e apresentou a maior taxa desde junho de 2008, quando atingiu 2,11%. O preço das carnesteve aumento de 3,48% e representou a maior contribuição individual do mês, com 0,08 ponto percentual do índice. Por outro lado cebola (-6,46%) e o arroz (-1,14%) ficaram mais baratos.

Outro produto que pressionou o IPCA em outubro foi o álcool combustível. "Os combustíveis subiram 1,56% e ficaram na segunda posição na ordem das contribuições, com 0,07 ponto percentual. O litro do etanol passou a custar 7,41% a mais do que no mês anterior, pressionando o preço da gasolina, que aumentou 1,13%. A alta do etanol chegou a 15,17% no município de Goiânia, seguido pela região metropolitana de São Paulo, com 9,49%, e de Curitiba, com 8,39%", afirma o IBGE em nota.

Outros grupos com aceleração foram Despesas pessoais, com avanço de 0,64% agora, contra 0,34% antes, em razão da elevação dos salários dos empregados domésticos, Habitação em 0,48% em outubro, ante 0,40% em setembro, por aumentos de aluguel, condomínio e tarifa de água e esgoto. Os preços de Vestuário avançaram 0,89% agora, após alta anterior de 0,45%, refletindo maiores custos de sapatos.

O IPCA é calculado pelo IBGE desde 1980, se refere às famílias com rendimento monetário de 1 a 40 salários mínimos, qualquer que seja a fonte, e abrange nove regiões metropolitanas do País, além de Goiânia e Brasília.