Bush diz em livro que aconselhou ex-líder mexicano a não se aliar à França

O ex-presidente americano George W. Bush afirma em seu livro que aconselhou o então presidente mexicano Vicente Fox, em 2003, em pleno debate diplomático sobre o ataque ao Iraque, a não se aliar à França nas Nações Unidas.

"A pedido de Tony (Blair), fiz um último esforço para persuadir México e Chile, dois membros do Conselho de Segurança que vacilavam, para que apoiassem a segunda resolução" da ONU, que teria permitido de forma clara um ataque militar contra o regime de Saddam Hussein, explica Bush em seu livro, "Decision Points".

A conversa com Fox "começou mal", lembra Bush. "Quando disse a Vicente que estava falando com ele pela resolução da ONU, me perguntou de qual delas estava falando", contou o ex-presidente.

A resolução 1441, que havia sido aprovada anteriormente, advertia o Iraque sobre as "sérias consequências" caso não cooperasse.

"Se me permite um conselho, não deveria dar a impressão de que está se aliando à França", disse Bush ao então presidente mexicano.

Fox respondeu a Bush que iria pensar, sempre segundo a versão do americano. Mas quando sua secretária de Estado, Condolezza Rice, indagou uma hora depois, informaram que o mexicano havia sido internado em um hospital para uma cirurgia.

"Nunca mais voltei a ouvi-lo sobre esse assunto", disse Bush.

A tentativa com o chileno Ricardo Lagos também foi infrutífera, ainda que o presidente tenha dito claramente que ia votar "não" no Conselho de Segurança.

A negativa de Fox esfriou consideravelmente as relações entre os dois países durante anos, mas o ex-presidente mexicano conquistou a aprovação da opinião pública com sua atitude.

O fracasso dos acordos diplomáticos não impediu que Bush e Blair declarassem guerra a Saddam Hussein com o apoio, entre outros, do presidente espanhol José María Aznar.