Deputados alemães adotam plano de ajuste e ratificam taxa bancária

Deputados alemães adotaram nesta quinta-feira um vasto plano de ajuste com o qual pretendem economizar bilhões de euros até 2014 e ratificaram a criação de uma taxa para os bancos com o objetivo de evitar que o Estado seja o responsável por reerguer as entidades bancárias em caso de crise.

Este plano de ajuste, anunciado no início de junho e adotado pelo Conselho de Ministros no mês passado, foi suavizado em relação à sua versão inicial, especialmente no que se refere a uma "taxa verde" paga por todas as empresas alemãs.

Este imposto finalmente não será aplicado, após a indústria alemã advertir que ocorreria a supressão de milhares de empregos se o imposto fosse aprovado.

Será aplicada, entretanto, uma taxa sobre o transporte aéreo. Todas as passagens para voos que tenham origem na Alemanha terão adicionado um imposto entre 8 e 45 euros, segundo a distância percorrida. Prevê-se que o Estado arrecade 1 bilhão de euros anuais com este novo imposto.

O plano de ajuste corta especialmente os gastos sociais, com a eliminação de subsídios e redução do orçamento da Agência de Emprego.

O governo também prevê aumentar os impostos sobre o tabaco.

Berlim anunciou a intenção de economizar 80 bilhões de euros antes de 2014.

Os deputados ratificaram também nesta quinta-feira à noite um novo imposto para os bancos.

As entidades financeiras deverão fornecer ao Estado, a partir do próximo ano, uma parte de seus lucros (que não poderá exceder 15% do lucro líquido) que serão destinados a reativar bancos que atravessarem dificuldades financeiras.