China tem crescimento trimestral de 9,6%

      PEQUIM - A China anunciou nesta quinta-feira que o ritmo de crescimento do país caiu a 9,6% em ritmo anual no terceiro trimestre e que registrou a maior inflação em dois anos, indicadores positivos segundo o governo e os analistas, que demonstram a eficácia das medidas adotadas para evitar um superaquecimento da economia.

O crescimento, que foi de 11,9% no primeiro trimestre e 10,3% no segundo, caiu ainda mais no terceiro, mas se beneficiou em uma base de comparação maior, já que a economia chinesa teve um resultado expressivo no verão de 2009, depois de ter passado pelo choque da crise financeira.

O índice de preços ao consumidor, principal indicador do nível de inflação, registrou alta de 3,6%, e de 2,9% nos nove primeiros meses do ano. O governo terá que trabalhar muito para não superar a meta de 3% que estabeleceu para 2010.

As pressões inflacionárias levaram o Banco Central a elevar na terça-feira em 0,25% as duas principais taxas de juros do país, o que provocou nos mercados o temor de uma desaceleração da segunda maior economia mundial.

A alta dos preços tem como principais causas os alimentos e os aluguéis de imóveis, dois setores considerados vitais para a manutenção da estabilidade social.

A produção industrial registrou alta de 13,5% trimestral e de 13,3% em setembro, enquanto os investimentos em capital fixo nas zonas urbanas aumentou 24,5% nos primeiros nove meses do ano, contra 24,8% até agosto.