Gays começam a se alistar nos EUA após luz verde do Pentágono

NOVA YORK  - Um veterano da guerra do Iraque abertamente homossexual que havia sido expulso das Forças Armadas anunciou que se alistou novamente através do escritório de recrutamento da Times Square, em Nova York. Daniel Choi foi um dos primeiros a se alistar no Exército após a decisão de uma juíza federal de suspender a lei "Don''t ask, don''t tell" (Não pergunte, não fale) e depois do sinal verde do Pentágono de aceitar homossexuais.

"Isto significa muito", disse Choi, de 29 anos, que havia sido expulso da Guarda Nacional de Nova York após anunciar sua opção sexual. "Estou pronto para voltar amanhã" ao Iraque, disse. Em declarações ao canal NY1 após realizar o procedimento no escritório da Times Square, Choi acrescentou que a possibilidade de voltar a integrar o Exército significava a possibilidade de cumprir compromisso e seguir servindo.

"Mas também significa que recuperei a fé em nosso governo", acrescentou o militar de origem asiática. "Pelo menos uma das partes do governo está do lado da Constituição, do lado das pessoas", afirmou.

Choi graduou-se na prestigiada Academia Militar de West Point em 2003 e foi enviado ao Iraque em 2006 e 2007 como oficial de infantaria.

Logo depois, foi transferido para a guarda Nacional com base em Manhattan, onde em março de 2009 revelou ser homossexual em um programa de televisão, sendo imediatamente excluído em virtude da lei "Não pergunte, não fale".

Uma juíza federal decidiu na última semana pôr fim a essa proibição, rejeitando os argumentos dos que a defendem como garantia da coesão e eficácia das Forças Armadas, especialmente em tempos de guerra.

Após a decisão da juíza, o Pentágono anunciou na terça-feira que começaria a aceitar alistamentos de homossexuais, mas advertiu aos possíveis novos recrutas que a medida ainda pode ser revertida.