Wall Street fecha sem direção definida

A Bolsa de Nova York fechou estável nesta quinta-feira, apesar das notícias positivas sobre a economia dos Estados Unidos, em um clima de prudência pelo anúncio das estatísticas mensais sobre o emprego: o Dow Jones perdeu 0,17%, enquanto a Nasdaq subiu 0,13%.

Segundo números definitivos de fechamento, o Dow Jones Industrial Average, que tinha fechado na véspera registrando a maior alta desde maio, perdeu 19,07 pontos, a 10.948,58.

Já a Nasdaq subiu 3,01 pontos, a 2.383,67. O índice ampliado Standard & Poor's 500 perdeu 0,16% (-1,91 ponto) para se situar em 1.158,06 pontos.

Apesar de terem registrado uma leve alta na abertura, os índices de Wall Street rapidamente voltaram ao equilíbrio, e permaneceram assim pelo restante da sessão.

"Tivemos um bom indicador com os pedidos semanais de seguro desemprego e com as vendas no comércio, que foram positivas", constatou Marc Pado de Cantor Fitzgerald.

No entanto, a "retomada do dólar", depois de ter atingido seu nível mais baixo frente ao euro desde fevereiro, "representou um catalisador para que o mercado retrocedesse", acrescentou. Nos últimos dias "o mercado vinha sendo beneficiado (pela desvalorização do dólar) para as exportações e pelo efeito positivo no preço das matérias primas".

O mercado está na expectativa, já que as estatísticas mensais de desemprego nos Estados Unidos são aguardadas para sexta-feira antes da abertura de Wall Street.

Enquanto isso, os indicadores do dia revelam uma queda inesperada de novos registros de seguro desemprego na última semana.

O Departamento de Trabalho indicou que havia registrado 445.000 pedidos de seguro desemprego de 26 de setembro a 2 de outubro, queda de 2,4% em relação à semana anterior.

Mas o clima no mercado era de cautela à espera do informe sobre o desemprego de sexta-feira, um indicador chave na economia dos Estados Unidos.

É provável que um índice decepcionante sobre o desemprego na sexta-feira aumente a pressão sobre o Federal Reserve para que renove suas políticas de créditos para dinamizar a economia.