Compras predominam e dólar sobe 0,36%

As compras ganharam força nesta quinta-feira com o dólar comercial subindo 0,36%, cotado a R$ 1,687 para venda no final dos negócios. Mantendo a rotina o Banco Central (BC) prosseguiu com os dois leilões de compra. No primeiro, a autoridade monetária comprou dólares a R$ 1,6782 e no segundo, comprou a R$ 1,685. A divisa apontou hoje mínima de R$ 1,670. Analistas avaliam que os próximos dias serão de volatilidade na cotação do dólar comercial diante das incertezas dos investidores em relação à adoção de novas medidas pelo governo. Boa parte do mercado acredita que o governo não adotará medidas drásticas até definição das eleições presidencias.

Vale ressaltar que a recuperação do dólar também acontece no mercado externo. O euro que foi acima de US$ 1,40 pela primeira vez em oito meses e há pouco era negociado em US$ 1,3922.

Apesar de dados positivos na Europa e nos Estados Unidos, o mercado segue cauteloso diante da espera pelo payroll, que será divulgado amanhã. Os bons resultados sobre as vendas das varejistas norte-americanas também colaboram para o movimento em sentido oposto das principais bolsas mundiais.

O diretor geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Dominique Strauss-Kahn, afirmou que leva a sério a ameaça de uma guerra cambial e prometeu apresentar propostas para evitar a mesma, em uma entrevista ao jornal francês Le Monde. O perigo de uma guerra cambial foi muito citado nos últimos dias. Os países mais ricos do mundo acusam vários emergentes, principalmente a China, de não permitir a valorização de suas moedas para favorecer as exportações.