Dólar sobe e mercado aguarda 2º turno das eleições

SÃO PAULO, 4 de outubro de 2010 - O dólar comercial operou nesta segunda-feira com valorização, chegando à máxima do dia em R$ 1,694. No entanto, vale lembrar que continua negociado abaixo da linha de R$ 1,70. No final dos negócios, a divisa era cotada a R$ 1,692 para venda, com alta de 0,77%. Mantendo a rotina o Banco Central (BC) prosseguiu com os dois leilões de compra. No primeiro, a autoridade monetária comprou dólares a R$ 1,686 e no segundo comprou a R$ 1,692.

Reginaldo Galhardo, gerente de câmbio da Treviso Corretora de Câmbio comenta que a alta do dólar teve como reflexo o resultado da eleição presidencial no País, que terá 2º turno, e que por esse motivo deverá retardar possíveis medidas no câmbio, que estão sendo alardeadas há algum tempo pelo Governo para estancar a forte valorização do real.

Para o executivo o dólar deve se manter tranquilo pelo menos até o fechamento do 2º turno das eleições, previsto para 31 de outubro. Galhardo ressalta ainda que aumenta a procura por mercados emergentes, que está presente nas buscas por melhores ativos e mais rentáveis, pelos investidores, que miram países com maior e melhor estabilidade econômica, alta rentabilidade e baixa influência da política no sistema econômico. "Somente a reversão de posições vendidas poderão dar cabo pelo menos momentâneo nessa valorização do real", finaliza.

Hoje as bolsas asiáticas fecharam em alta com forte entrada de estrangeiros interessados em mercados emergentes e a atividade manufatureira chinesa em alta tem impulsionado as bolsas por lá e mantido a confiança dos mercados quanto às perspectivas da região. Já as bolsas norte-americanas operam com retração. Notícias e temores sobre as regiões impulsionam a realização de lucros. Na Europa, as praças acionárias da região finalizaram em baixa. Além do cenário externo nada favorável, a ameaça de um atentado terrorista iminente na região, enfraqueceu os negócios.

Na agenda doméstica, destaque para o boletim Focus mostrando que a projeção para a taxa de câmbio em 2010 foi finalizada em R$ 1,75, e para 2011 o prognóstico ficou em R$ 1,80. Já a aposta para o saldo da balança comercial em 2010 subiu para US$ 16 bilhões. Já para 2011, expandiu de US$ 9,95 bilhões para US$ 10 bilhões.

Vale lembrar que a balança comercial brasileira referente à primeira semana de outubro, que compreende apenas um dia útil, não foi divulgada nesta segunda-feira, dia 4 de outubro. O MDIC divulgará os dados referentes às duas primeiras semanas do mês na próxima segunda-feira, dia 11 de outubro.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)