Com realização de lucros, bolsas caem

SÃO PAULO, 4 de outubro de 2010 - As bolsas norte-americanas e europeias operam com retração na sessão de hoje. Notícias e temores sobre as regiões impulsionam a realização de lucros.

Nos Estados Unidos, os investidores digerem negativamente a notícia de que o Goldman Sachs rebaixou o rating das ações da Microsoft.

Nos indicadores, a venda de imóveis usados cresceram 4,3% em agosto. O dado veio melhor do que o esperado por analistas, que estimavam alta de 1%. No entanto, o resultado anterior foi revisado da alta de 5,2%, para 4,5%.

E o indicador que mede os novos pedidos às indústrias norte-americanas, teve decréscimo de 0,5% em agosto.

Vale lembrar que a cautela está reforçada na semana, já que sexta-feira serão divulgados os dados oficiais sobre o mercado de trabalho dos Estados Unidos.

Na Europa, as praças acionárias da região finalizaram em baixa. O índice FTSE-100, de Londres, caiu 0,66%, aos 5.555 pontos, o CAC-40, de Paris, recuou 1,15%, aos 3.649 pontos. O DAX, de Frankfurt, teve desvalorização de 1,24% aos 6.134 pontos. Além do cenário externo nada favorável, a ameaça de um atentado terrorista iminente na região, enfraqueceu os negócios.

Por outro lado, hoje no continente foi anunciado que a confiança do investidor nos 16 países que compõem a zona do euro registrou acréscimo para 8,8 pontos em outubro. O índice de preços ao produtor da região avançou 0,1%. No mesmo sentido, o índice gerente de compras do setor de construção do Reino Unido subiu para 53,8 pontos.

Por aqui, o Ibovespa se descola do front externo e instantes atrás valorizava 0,10%, impulsionado pela expansão das ações da Petrobras e pelas empresas de energia. Na renda fixa, em dia de ajustes de posições, o movimento na curva de juros é de queda. Há pouco, o certificado de Depósito Interfinanceiro (DI) com vencimento em janeiro de 2012 projetava taxa anual de 11,41%. E no câmbio, o dólar fechou a primeira etapa dos negócios em alta, vendido a R$ 1,68.

(Redação - Agência IN)