Reputação e imagem motivam gestão ambiental

SÃO PAULO, 30 de setembro de 2010 - A imagem e a reputação da empresa são os principais motivos para a adoção de procedimentos de gestão ambiental, executados por sete em cada dez indústrias brasileiras. A informação é da Sondagem Especial de Meio Ambiente, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Essa é a principal motivação para 78,6% das empresas pesquisadas. O segundo maior motivo para as práticas de gestão ambiental, conforme 77,7% das empresas, são as exigências do licenciamento ambiental, seguidas de regulamentos ambientais, apontados por 66,6% delas.

O levantamento da CNI, feito com 1.227 empresas de todos os portes e setores, revela que as práticas adotadas variam de redução na geração de resíduos ao uso eficiente da energia e diminuição no gasto de água, entre outros procedimentos.

De acordo com a pesquisa, o percentual de empresas que adotam procedimentos ambientais sobe para 95% entre as de grande porte.

"É crescente o nível de exigências e de atribuições que são dadas as empresas, o que exige um nível de atenção muito alto, porque muitas dessas exigências se transformam em custos. Há um limite entre essas exigências e o que a empresa tem de benefícios com imagem e preço que pode incorporar aos produtos lançados no mercado", avalia a diretora de relações institucionais da CNI, Heloisa Menezes.

As empresas também demonstraram preocupação com a redução de desperdícios de matérias-primas (55,3%), com a melhoria da qualidade dos produtos (37,7%) e em atender a demanda de clientes e consumidores (27,9%).

A maioria das empresas (88%) que informaram adotar procedimentos de gestão ambiental disse possuirem Sistema de Gestão Ambiental (SGA), ou seja, procedimentos sistemáticos, tais como certificação (a exemplo do ISO 14.000). "A certificação é aceita internacionalmente. Então é positiva para a empresa. Mas tem também aquelas que não perseguem a certificação, o selo, mas que adotam práticas diárias, sistemáticas, como redução de resíduos e de uso de água e energia", informa Heloisa Menezes.

Entre as indústrias que adotam o SGA, a Sondagem Especial da CNI revela que o principal programa é o de redução na geração de resíduos, apontado por 80,1% das entrevistadas. O uso eficiente de energia é o segundo programa mais utilizado, por 69,5% das empresas que possuem SGA. A redução do uso da água vem em seguida, com 58,3% de adoção nessas empresas.

Das 1.227 empresas pesquisadas pelas CNI, 183 são de grande porte, 367 de médio porte e 677 pequenas empresas. A Sondagem Especial foi conduzida entre os dias 5 e 19 de abril último.

(Redação - Agência IN)