Ibovespa fecha último pregão do mês no azul

SÃO PAULO, 30 de setembro de 2010 - O último pregão do mês foi de instabilidade na BM&FBovespa. Após os investidores realizarem lucros pela tarde, o Ibovespa voltou a operar em terreno positivo e com isso acabou no azul. A recuperação das ações da Vale e de siderúrgicas contribuíram para o desempenho. No término dos negócios, o índice acionário subiu 0,29%, aos 69.429 pontos. O giro financeiro da bolsa fechou em R$ 7,795 bilhões. No mês, o índice acumulou alta de 6,57%.

Para Ney Kateyama, analista econômico do Banco do Brasil Banco de Investimentos (BB-BI), a melhora momentânea do cenário em Wall Street permitiu a recuperação dos papéis da Vale e de alguns do setor siderúrgico. Os preferenciais classe A da mineradora ganharam 0,43% e os da Usiminas PN e ON cresceram, respectivamente, 0,66% e 2,05%.

Outra companhia que influenciou positivamente no comportamento do Ibovespa foi a OGX Petróleo e Gás. As ações ordinárias aumentaram 2,03% na sessão. A empresa informou que identificou a presença de hidrocarbonetos, com indicativo de óleo leve e gás, em águas rasas da Bacia de Santos.

Já as ações da Petrobras (PN) terminaram na direção contrária, com desvalorização de 0,76%. A companhia confirmou o aumento do capital social de R$ 85.108.544.378,00 para R$ 200.160.863.468,80, diante da subscrição de 2,29 bilhões de ações ordinárias e de 1,79 bilhão de ações preferenciais em sua oferta, perfazendo o total de 4,08 bilhões de ações. Os papéis da estatal perderam 0,62%.

Nos Estados Unidos, o dia também foi de instabilidade nos negócios, apesar dos indicadores terem superado as expectativas dos analistas. O Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 1,7% no segundo trimestre deste ano, de acordo com a revisão final divulgada hoje. Além disso, o número de pedidos de auxílio-desemprego caiu 16 mil na semana passada e a atividade industrial de Chicago (PMI, na sigla em inglês) surpreendeu e avançou para 60,4 pontos em setembro.

(Déborah Costa - Agência IN)