Obras de Angra 3 movimentam mercado de trabalho da Costa Verde

SÃO PAULO, 29 de setembro de 2010 - A construção da Usina Nuclear Angra 3 está permitindo a criação de novos empregos, movimentando o mercado de trabalho da região da Costa Verde. A construtora Andrade Gutierrez, responsável pelas obras civis está, no momento, contando com um efetivo de 1.837 empregados para trabalhar na construção da Usina - de acordo com o seu último balanço. Desse total, 1.399 são moradores de Angra dos Reis, 95 de Paraty e 27 de Rio Claro.

Esse efetivo deve aumentar nos quatro primeiros anos da obra. Estima-se que, em média, serão necessários, somente para atender aos serviços da construção civil, um efetivo de 2.500 trabalhadores, podendo chegar a 4 mil nos momentos de pico (entre o 2º e o 3º ano). Além destes, os serviços de montagem eletromecânica, que serão iniciados no segundo ano da obra, empregarão 4 mil funcionários, de modo que as obras da Usina, ao longo de 5,5 anos de implantação, mobilizarão, em média, cinco mil empregos diretos - com picos que poderão alcançar nove mil colocações no período de maior movimentação no canteiro.

Desde que a Eletronuclear recebeu a licença de construção de Angra 3 - que autorizou o início da concretagem da laje do prédio do reator da Usina -, houve um crescente aumento no quadro de empregados das contratadas para atuar na obra. Desde o ano passado, a empreiteira já tinha equipe mobilizada no canteiro para execução dos serviços preparatórios de engenharia e instalação da infraestrutura do canteiro de obras. Antecedendo à fase de concretagem, foram executadas diversas atividades como a aplicação do concreto de regularização da cava de fundações para as diversas edificações, a impermeabilização das lajes de fundação do prédio do reator e prédio auxiliar do reator e a instalação de armação (ferragens).

Nesse primeiro momento, a demanda maior é por carpinteiros de formas, pedreiros, montadores de andaime, armadores e ajudantes. Esse tipo de mão de obra já existe na região tanto é que mais de 80% do pessoal contratado até agora são moradores da Costa Verde, coerente com a política da empresa de priorização da mão de obra local. Estima-se que para Angra 3 o índice de participação de mão de obra da região seja bem superior ao utilizado em Angra 2.

(Redação - Agência IN)