Wall Street encerra com forte alta após dados corporativos

SÃO PAULO, 24 de setembro de 2010 - Após três dias de perdas, os investidores seguem com firme rally nas principais praças acionárias de Wall Street, refletindo o ambiente corporativo e o indicador de bens duráveis. Com isso, em Nova York, o índice Dow Jones Industrial Average subiu 1,86%, aos 10.860 pontos. O S&P 500 cresceu 2,12%, aos 1,148 pontos. E na bolsa eletrônica, o índice composto Nasdaq valorizou 2,33%, aos 2.381 pontos.

A recuperação econômica dos Estados Unidos surpreende o mercado com notícias divergentes dia após dia. Nesta sexta-feira, os investidores ficaram de olho no mercado corporativo depois que a Nike anunciou aumentou de 9% no seu lucro líquido do primeiro trimestre fiscal de 2011, passando de US$ 513 milhões para US$ 559 milhões.

"No momento, qualquer informação que sinalize melhoria no cenário norte-americano é bem vinda. O resultado da Nike, por exemplo, veio bem acima das expectativas do mercado", afirma Alex Agostini, economista chefe da Austin Ratings.

Segundo a empresa, a melhoria nas vendas foi o fator que alavancou o lucro, motivo que elevou o ânimo dos agentes, com expectativa de melhoria na recuperação do país.

Na esteira, os novos pedidos de bens duráveis nos Estados Unidos, que recuaram 1,3% em agosto, frustraram os investidores que esperavam queda de 1%, mas por outro lado, dados revisados do mês de julho vieram melhores do que o esperado, o que melhorou a leitura do dado. "Um bom sinal que a economia não está tão debilitada", analisa.

Segundo o economista, se retirado o setor automobilístico (que ainda pressiona o crescimento da economia dos EUA), a alta do dado chega a 2%.

Além disso, Agostini acredita que a forte expansão do dia também pode ser atribuída à correção nos preços das ações, que se encontravam em níveis baixos, já que nos últimos pregões houve deterioração dos papéis.

Segundo fontes, a General Motors destinará boa parte das ações de sua oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) a investidores norte-americanos e planejaria fixar o preço em níveis depreciados para atrair número considerável de compradores do varejo. A companhia automobilística deve vender cerca de 80% de papéis ordinários na oferta, além de mais de 90% de papéis preferenciais na América do Norte.

Pela manhã, o Departamento do Comércio dos Estados Unidos informou que as vendas de imóveis novos registraram estabilidade em agosto deste ano, em relação ao mês anterior. O mercado projetava expansão em torno de 7%.

(Redação - Agência IN)