Semana termina com DIs de longo prazo em queda

SÃO PAULO, 24 de setembro de 2010 - Os contratos de Depósito Interfinanceiro (DI) negociados na BM&FBovespa apontaram taxas dentro da estabilidade no curto e médio prazo. Já os contratos mais longos reagiram ao cenário externo e recuaram. O DI com vencimento em janeiro de 2011 fechou com taxa anual de 10,67%, mesmo do ajuste anterior. O DI de janeiro de 2017 projetou juro de 11,42%, ante 11,55% da véspera.

Os players continuam preocupados com a velocidade da retomada nos Estados Unidos e na Europa e os indicadores econômicos estão mostrando que, mesmo depois das fortes injeções de recursos governamentais, a recuperação ainda é muito lenta.

Na agenda interna desta sexta-feira foi divulgado o resultado do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no município de São Paulo, medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP), que acelerou para 0,35% na terceira quadrissemana de setembro, superior ao índice da segunda, que foi de 0,21%

Operadores comentam que a inflação segue na pauta dos negócios de renda fixa e com as expectativas de inflação subindo as dúvidas em relação aos juros no Brasil começam a aparecer e a pergunta do mercado é "Até quando o Banco Central irá manter a taxa Selic?".

A equipe econômica do banco Fibra vislumbra um cenário preocupante para a inflação daqui para frente, com potencial de impactar as expectativas para os próximos meses e também para 2011. Neste contexto, a equipe econômica do banco Fibra considera que será necessária a retomada do ciclo de aperto monetário ainda no primeiro trimestre de 2011.

(Maria de Lourdes Chagas - Agência IN)