Petrobras e notícias positivas centram atenções

SÃO PAULO, 24 de setembro de 2010 - Apesar das bolsas europeias operarem de lado, o dia parece que será de ganhos tendo como base os índices futuros norte-americanos que, há pouco, estavam no azul. A divulgação de notícias positivas no velho continente e Estados Unidos ajuda a animar os investidores.

No continente europeu, o índice de sentimento econômico do empresário alemão (IFO) veio um pouco acima do estimado pelo mercado, no entanto, até o momento não tem forças para aumentar os ganhos dos índices da região. O indicador avançou para 106,8 pontos em agosto deste ano, registrando acréscimo de 0,1 ponto percentual ante os 106,7 pontos registrados em agosto.

E os principais índices acionários da Europa que abriram em baixa inverteram a tendência e instantes atrás avançavam. O índice FTSE-100, de Londres, crescia 0,04% aos 5.549 pontos. O CAC-40, de Paris, tinha acréscimo de 0,92%, aos 3.744 pontos e o DAX, de Frankfurt, ganhava 0,26% aos 6.201 pontos.

De acordo com Silvio Campos Neto, economista do Banco Schahin, as preocupações com a situação de alguns países ainda pairam no ar. "Ontem [23] os dados divulgados na Europa não foram bons e a cautela ainda é pano de fundo", disse.

Já nos Estados Unidos, os índices futuros operam em alta, com os investidores reagindo ao balanço positivo da Nike, segundo Campos Neto. O lucro líquido companhia somou US$ 559 milhões (US$ 1,14 por ação) no primeiro trimestre fiscal de 2011. Na pauta econômica, o mercado monitorou que os novos pedidos de bens duráveis norte-americanos recuaram US$ 2,5 bilhões ou 1,3% em agosto de 2010.

Na Ásia, as bolsas de valores não definiram tendência. O mercado esperava que o governo do Japão interviesse para conter a forte alta do iene frente ao dólar, o que não aconteceu. Em Tóquio, o índice Nikkei 225 caiu 0,99%, para 9.471,67 pontos, ao mesmo tempo que em Seul, o índice Kospi subiu 0,76%, para 1.846,60 pontos, e em Hong Kong, o índice Hang Seng avançou 0,33%, para 22.119,43 pontos. Em Xangai, a bolsa local não operou, devido a um feriado nacional.

Internamente, as atenções dos investidores seguem no processo de capitalização da Petrobras, que representa a maior história. O preço por ação ordinária (ON) da estatal foi definido em R$ 29,65 e para cada ação preferencial (PN) ao preço de R$ 26,30. "Fica a grande dúvida de como o mercado vai reagir ao processo. Rumores dão conta de que a oferta foi forte e isso é positivo. Resta saber como será a leitura do mercado", avaliou Campos Neto.

Na agenda doméstica, o Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) de 22 de setembro subiu nas seis capitais brasileiras das sete pesquisadas, segundo informações da Fundação Getúlio Vargas (FGV). E o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) no município de São Paulo, medido pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe/USP), acelerou para 0,35% na terceira quadrissemana de setembro.

(Déborah Costa - Agência IN)