Petrobras faz Ibovespa encostar nos 69 mil pontos

SÃO PAULO, 23 de setembro de 2010 - Em dia de definição do preço das ações da Petrobras no processo de capitalização, a BM&FBovespa se descolou do ambiente externo em função da forte valorização das ações da estatal. Durante o dia o Ibovespa chegou a superar os 69 mil pontos, mas como o índice reduziu o ritmo de ganhos no final da tarde, encerrou nos 68.794 pontos, com expansão de 0,69%. O giro financeiro da bolsa terminou em R$ 9,169 bilhões.

Segundo um economista, tudo indica que o mercado comprou todas as ações ofertadas no processo, "o que deu fôlego para adquirir os papéis da empresa", justificou. Ele ressaltou ainda que este movimento altista deverá se estender até amanhã. "Estão todos na expectativa da definição do preço", continuou. As ações da Petrobras encerraram entre as maiores oscilações positivas do Ibovespa, com as preferenciais com ganhos de 3,15% e as ordinárias de 1,92%. A reunião para definição está prevista para às 19 horas.

Na esteira da Petrobras, outras blue chips também avançaram e ajudaram a dar tom aos negócios. Os papéis da Vale (PNA) subiram 0,18%, enquanto os da OGX (ON) e do Itaú Unibanco cresceram, nesta ordem, 2,43% e 0,77%.

Ainda internamente, do lado das empresas, a Marfrig Alimentos obteve a autorização para a conclusão da operação de aquisição da Keystone Foods, por parte de todos os orgãos anti-trust envolvidos. As ações da companhia aumentaram 1,03%.

No front externo, as notícias foram mistas, no entanto, não alterou os negócios na BM&FBovespa em função do processo de capitalização da Petrobras. Os novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos avançaram inesperadamente 12 mil na semana passada, situando em 465 mil pedidos. Na direção contrária, as vendas de imóveis usados no país cresceram 7,6% em agosto de 2010, com ajustes sazonais, para uma taxa anualizada de 4,13 milhões de unidades, superando as projeções dos analistas.

(Déborah Costa - Agência IN)