Crise global desacelera crescimento da população ocupada

SÃO PAULO, 23 de setembro de 2010 - Entre 2005 e 2008, houve aumento superior a 1 milhão de pessoas ocupadas por ano, com destaque para 2008 com aumento de cerca de 2,5 milhões de pessoas ocupadas em relação ao ano anterior. Esta diminuição brusca do ritmo de crescimento da população ocupada parece ser reflexo da crise financeira de 2008-2009, de acordo com o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

A taxa de participação agregada feminina no mercado de trabalho aumentou 0,5 ponto percentual (p.p.) em 2009, em relação a 2008. A variação se deve exclusivamente à maior participação feminina na população economicamente ativa (PEA), que passou de 48,8% para 49,7% em 2009. Já a participação masculina se manteve em 69,9% nos dois últimos anos. "O comportamento das mulheres tem sido determinante para as variações comentadas acima", afirma o Ipea.

Em segundo lugar, nota-se um quadro análogo, e ainda mais nítido, quando se compara com 2001. A taxa de participação agregada cresceu 1,6 p.p. entre 2001 e 2009, sendo que nesse período a taxa de participação diminuiu 1,2 p.p para os homens e subiu 4,1 p.p. para as mulheres.

A população ocupada cresceu em 715 mil pessoas entre 2008 e 2009, alcançando 86,7 milhões de pessoas, o que representa uma variação de 0,8%.

(Redação - Agência IN)