Chile apoia Brasil como membro permanente da ONU

SÃO PAULO, 23 de setembro de 2010 - O presidente do Chile, Sebastián Piñera, defendeu nesta quinta-feira uma ampliação do Conselho de Segurança das Nações Unidas e disse que apoia o Brasil como membro permanente do órgão.

Em sua primeira participação como presidente nos debates da Assembleia Geral da ONU, Piñera destacou a necessidade "de se reformar o Conselho de Segurança para torná-lo mais plural".

Brasil, Alemanha, Japão e potências regionais emergentes, como Índia e África do Sul, manifestam há anos sua pretensão de ocupar uma cadeira permanente em um Conselho de Segurança ampliado.

Piñera citou apenas o Brasil entre os países que o Chile estaria disposto a apoiar após a eventual ampliação do Conselho de Segurança, que hoje tem cinco membros permanentes e dez rotativos.

Em seu discurso, Piñera convidou o mundo a abraçar a modernidade e disse que após as quedas dos muros que separavam Leste e Oeste, Ricos e Pobres, persiste um terceiro muro que é preciso derrubar: "entre os espíritos antigos, que vivem da nostalgia, e os espíritos jovens", que olham o futuro.

No discurso de abertura da Assembleia Geral, o chanceler brasileiro, Celso Amorim, pediu hoje a reforma e a expansão do Conselho de Segurança, para ampliar a participação dos países em desenvolvimento, incluindo-os como membros permanentes.

"Não podemos continuar com métodos de trabalho sem transparência e que permitem aos membros permanentes discutirem a portas fechadas pelo tempo que quiserem questões que dizem respeito a toda humanidade".

(Redação com AFP - Agência IN)